Hipotecas podres, King Kong, notários e registradores

fay
Fay Wray, a loira de King Kong e testemunha instrumentária

O blogue Observatório do Registro, mantido por mim, noticia o que pode ser considerada a expressão mais perfeita e acabada dos verdadeiros simulacros criados pela mente prodigiosa do mercado americano: inventaram o public game da compra e venda de bens imóveis.

Os nossos escroques tupiniquins repaginaram o conto do vigário: vendiam o falso bilhete premiado, a pirâmide da sorte e no limite passavam o Viaduto do Chá. Mas os EEUU são superlativos mesmo: conseguiram vender o Empire State Building em 90 minutos! E com papel passado, assinado, roborado e notarizado!

Uma coisa temos que reconhecer – eles sabem como ninguém fazer piada de si mesmos. Vejam só: a transmitente é Nelots Properties. Nelots é anagrama de stolen, que significa roubado. A testemunha instrumentária é Fay Wray, aquela loira que freqüentou assiduamente o imaginário da puberdade na década de  30. É a atriz que interpretou Ann Darrow, que seduziu King Kong.

Como notário figurou nada mais, nada menos, do que o ilustre ladrão de bancos Willie Sutton.

Os americanos não sabem onde é La Paz e desconfiam profundamente de vocábulos de étimo latino. Mas é impressionante como se apropriaram de expressões como notários e propriedade. Parecido com isso somente os administrativistas, que insistem em nominar seus institutos tomando de assalto expressões latinas tão caras ao direito comum.

Enfim, vale a pena assistir a mais esse espetáculo na terra dos sonhos e simulacros.

Leia o post Tio Sam e a fé pública.

Instrumento particular – as exceções e a regra

O resumo abaixo foi elaborado a pedido dos colegas Eduardo Pacheco Ribeiro de Souza e Francisco José Rezende dos Santos, respectivamente registradores em Teresópolis (RJ) e Belo Horizonte (MG).

Trata-se de um pequena rol que servirá para o desenvolvimento de um artigo enfocando os instrumentos particulares na contratação privada no Brasil.

O rol se destinou a fundamentar a exposição oral feita por ambos nas jornadas intituladas “Primer Foro Internacional de Madrid. Administración electrónica y seguridad jurídica”, realizadas em Madri entre os dias 12, 13 e 14 de maio de 2008 naquela cidade espanhola.

Em breve, o trabalho será publicado aqui.

Segue abaixo a lista de diplomas legais e regulamentares que poderão servir a outros pesquisadores.

Pede-se a citação: JACOMINO, Sérgio. Instrumento Particular – as exceções e a regra. in  https://arisp.wordpress.com/2008/06/19/instrumentosparticulares.

Sérgio Jacomino, Registrador e editor. Continuar lendo